Logotipos Criativos e as Teorias da Gestalt

18 de dezembro de 2012

As Leis da Gestalt já são conhecidas por todos os estudantes e profissionais de design. Para quem nunca ouviu falar, Gestalt (em alemão “forma” ou “figura”) é uma teoria da psicologia do início do sec. XX que estuda a percepção visual. Diz basicamente que nós não vemos partes isoladas, mas sim relações. Nosso cérebro tende a perceber os objetos como um todo antes de perceber suas partes individuais, sugerindo que o todo é maior que a soma de suas partes.

O  design utiliza estas leis da Gestalt o tempo todo,  muitas vezes até de forma inconsciente. Ele ajuda pessoas a assimilarem informações e a entenderem as mensagens que são passadas, sendo uma solução perspicaz e criativa para a criação de um símbolo visual (logo), por exemplo, tornando-o simples e memorável.

Abaixo eu selecionei alguns logos e as leis gestálticas aplicadas neles. Em alguns casos é bem difícil identificarmos apenas uma única lei, porém deixo explícito as mais evidentes para cada caso.

 

Teoria de Fechamento:

Obtém-se a sensação de fechamento visual da forma pela continuidade numa ordem estrutural definida, ou seja, por meio de agrupamento de elementos de maneira a constituir uma figura total mais fechada ou mais completa.

Talvez o exemplo mais conhecido por todos é o famoso logo do panda, da WWF e o cavalheiro caminhando, para a marca Johnnie Walker. Ambos utilizam essa teoria, pois nosso cérebro tende a completar essas imagens abstratas formando imagens das quais já conheciamos (um urso panda, uma pessoa).

WWF Logo

WWF – Teoria de Fechamento

 

Johnnie Walker Logo

Johnnie Walker – Teoria de Fechamento

 

O logo da NBA também utiliza deste mesmo princípio:

NBA Logo

NBA – Teoria de Fechamento

 

O logo da IBM, onde as listras horizontais sugerem velocidade e dinamismo:

IBM Logo

IBM – Teoria de Fechamento

 

Quaker Logo

Quaker – Teoria de Fechamento

 

Neste logo da NBC, conseguem ver um pavão na imagem?

NBC Logo

NBC – Teoria de Fechamento

 

Neste próximo há duas teorias presente: podemos notar que os elementos formam a silhueta de uma montanha, ela representa o Matterhorn, ponto mais alto da Suiça. Neste caso trata-se da teoria em questão.

Toblerone Logo

Toblerone – Teoria de Fechamento / Figura-Fundo

Conseguem ver um urso no centro? É o símbolo da cidade de Berna, onde foi criado o chocolate, porém, a teoria que percebemos é a da “figura-fundo” (explicada mais adiante).

Toblerone Logo (Urso)

Toblerone – Teoria de Fechamento / Figura-Fundo

 

Outro bastante conhecido é o logo da Fórmula 1. Neste, há a junção do primeiro elemento, o F,  com o segundo elemento em vermelho (uma imagem abstrata) e ambos, unidos, formam um terceiro elemento, que é o número 1.

Formula 1 Logo

Formula 1 – Teoria de Fechamento

 

Unificação por Proximidade / Semelhança

Essa teoria é claramente vista no logo da Unilever, pois nós não percebemos os 24 elementos separados, mas tendemos a agrupá-los pela forma que estão organizados e pela distância um dos outros, formando a letra “U”.

Unilever Logo

Unilever – Unificação por Proximidade

 

Neste podemos notar a Unificação por Semelhança pelos elementos possuirem o mesmo peso e cor. Mas também podemos notar blocos distintos destes elementos, graças a Teoria da Unificação por Proximidade.

Sinergy Equities Logo

Sinergy Equities – Unificação por Proximidade / Semelhança

 

AntiParticle Logo

Antiparticle – Unificação por Proximidade

 

FoodMobile Logo

Foodmobile – Unificação por Proximidade

 

Há duas teorias neste: a em questão, vista no corpo do guepardo composto por vários elementos próximos que formam a imagem, e a Teoria de Fechamento, para a cabeça.

Rubban Logo

Rubban Logistic Holding Company – Unificação por Proximidade / Teoria de Fechamento

 

Teoria da Segregação

Significa a capacidade perceptiva de separar, identificar, evidenciar ou destacar unidades formais em sua composição total ou em partes deste todo. No logo da Macintosh, nosso cérebro é capaz de separar as imagens, dividindo-a em 2: a primeira, um rosto visto de frente, e a outra, o perfil de um rosto.

Macintosh Logo

Macintosh – Teoria da Segregação

 

Teoria da Pregnância

Nosso cérebro percebe a forma em seu estado mais simples possível. Quanto mais simples, mais facilmente é assimilada: desta forma, a parte mais facilmente compreendida em um desenho é a mais regular e simétrica, que requer menos simplificação. O logo das Olimpíadas é o exemplo ideal para a Teoria da Pregnância.

Olimpíadas Logo

Olimpíadas – Teoria da Pregnância

Quanto melhor for a organização visual da forma do objeto, em termos de facilidade de compreensão e rapidez de leitura ou interpretação, maior será o seu grau de pregnância.

 

Teoria da Figura/Fundo

O conceito básico dessa teoria é a ilusão de ótica. Tendemos a organizar as percepções no objeto observado (a figura) e no plano contra o qual ele se destaca (o fundo). A figura parece ser mais substancial e destaca-se do fundo.

No  logo da rede Carrefour, onde a soma dos elementos abstratos nos ajuda a perceber a letra C, pode haver uma dupla interpretação, pois se analisarmos ambos os elementos unidos eles formam uma flor-de-lis, símbolo da aristocracia francesa. Podemos destacar os elementos azul e vermelho como figura, e o “C” como fundo.

Carrefour Logo

Carrefour – Figura-Fundo

 

Algo semelhante acontece com o logo da Fedex, se percebermos, o “E” e o “X” formam uma seta, no caso as letras seriam a figura e a seta o fundo (espaço branco).

FedEx Logo

Fedex – Figura-Fundo

 

Food Writers Logo

Food Writers – Figura-Fundo

 

EDS Eletronics Logo

EDs Eletronics – Figura-Fundo

 

Spartans Golf Club Logo

Spartans Golf Club – Figura-Fundo

 

Hope For African Children Initiative Logo

Hope For African Children Initiative – Figura-Fundo

 

Yoga Australia Logo

Yoga Australia – Figura-Fundo

 

Teoria da Continuidade

A Lei da Continuidade defende que os pontos que estão conectados por linhas retas ou curvas são vistos de modo a parecerem que seguem uma determinada direção. Ou seja, ao invés de ver linhas e ângulos separados, as linhas são vistas como estando agrupadas juntas.

Neste exemplo podemos notar 2 teorias: a de fechamento, explicada anteriormente, e a de continuidade.

Eight Logo

Eight – Teoria da Continuidade

Graças a essa capacidade que nossos cérebro tem de “continuar” a imagem, que percebemos a letra “E” e “I” formando o número 8.

 

Volto a lembrar que nenhum destes príncipios é único. Todos eles funcionam em conjunto afim de conseguir uma totalidade de função, elegância e apelo estético.

Alguns dos melhores designers do mundo não sabem nada sobre Gestalt. eles apenas as usam intuitivamente quando analisam determinado projeto e o acham coerente, criativo ou funcional, sem ao menos saber dessa terminologia, pois essas teorias não são construções artificiais, regras inventadas pelo homem, mas sim tentativas de perceber e verbalizar como os seres humanos naturalmente percebem as coisas.

Não importa se você usa essas teorias por instinto ou por deliberação, o que importa é como eles podem te ajudar a criar melhores projetos.  ; )

QUEM POSTOU

Graduado em desenho industrial, trabalhando com design gráfico e web na @agenciacleek. Apaixonado por logos, applemaniaco, pianista, violinista e amante de música irlandesa (sim, sou estranho hehe). Quem quiser uma conversa sobre design e filmes, principalmente soundtracks, pode entrar em contato pelo facebook .

Últimos artigos publicados pelo autor Imagem Destacada - Logotipos Criativos e as Teorias da Gestalt

DEIXE SEU COMENTÁRIO